Desculpe

Num bar ele disse que queria uma mulher séria, daquelas para casar.
No futebol contou que ela só teve um cara antes dele.
Certo dia no trabalho se orgulhou que ela não tinha amigos homens.

Disse que ameaçou terminar o namoro por que ela não quis dar para ele naquele noite.
Rasgou algumas roupas dela porque mulher sua não podia se vestir assim.
Traiu pois sendo homem tinha que se satisfazer.

Matou porque ela chamou a policia e queria o divórcio.

Em uma carta disse que a culpa da sua vida estar daquele jeito era de ter escolhido a mulher errada.

Na minha resposta disse que fui ao túmulo dela e pedi desculpas.

Porque, mesmo não ativamente, permiti que meu machismo me calasse, que a opressão continuasse. Sem cobrar e discutir, junto com a sociedade, permiti que a morte a levasse.

Em sua última resposta, ele revoltado escreveu que era falsa nossa amizade, pois eu devia ficar ao lado dele e não “daquelazinha”.

Não tive como responder, ele estava certo, em parte, pois amigo é aquele que diz e faz o que o outro precisa e não fica omisso vendo tanta cagada sendo produzida.

Me desculpem os dois.

Talvez eu me perdoe um dia.

Esta entrada foi publicada em literatura, Mulher e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

2 respostas a Desculpe

  1. Ricardo disse:

    pancada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *